Agregador de notícias

Funeral do presidente do Leicester realiza-se em Banguecoque no sábado

Diário de Notícias - Desporto - Qui, 01/11/2018 - 15:07

O funeral do presidente do Leicester City, Vichai Srivaddhanaprabha, que morreu no passado sábado num acidente de helicóptero, realiza-se no próximo sábado, em Banguecoque, na Tailândia, anunciou hoje a empresa do milionário tailandês.

Segundo a tradição budista, o funeral, que está a ser preparado pela mulher e pelo filho do magnata, durará vários dias, com cerimónia também em reconhecimento do país a Vichai, com todas as honras associadas a elas.

O corpo do presidente do clube inglês da Premier League, campeão há dois anos, será hoje transportado desde Leicester até Banguecoque, refere a estação de televisão BBC.

O empresário, de 60 anos, faleceu no sábado passado, num acidente de helicóptero, conjuntamente com outras quatro pessoas.

A aeronave despenhou-se num parqueamento contíguo ao King Power Stadium, em Leicester.

Morreu o antigo lateral esquerdo do FC Porto Esquerdinha

Diário de Notícias - Desporto - Qui, 01/11/2018 - 15:02

O antigo futebolista brasileiro Esquerdinha, que representou o FC Porto entre 1998 e 2001, morreu na quarta-feira, aos 46 anos, confirmou hoje o clube campeão português de futebol, enviando as condolências à família.

José Marcelo Januário de Araújo, conhecido como Esquerdinha, foi lateral esquerdo dos ‘dragões’ entre 1998 e 2001, tendo contribuído para a conquista do pentacampeonato, em 1999.

Com a camisola do FC Porto, Esquerdinha disputou 87 jogos, nos quais apontou nove golos, tendo conquistado um campeonato, duas edições da Taça de Portugal e uma Supertaça Cândido de Oliveira.

Esquerdinha transferiu-se do FC Porto para os espanhóis do Saragoça, tendo em 2003 passado pela Académia, antes de rumar ao Goiás, do Brasil.

Segundo a imprensa brasileira, Esquerdinha sofreu um enfarte fulminante, quando jogava futebol com amigos.

"Em Portugal os treinadores não têm tranquilidade"

TSF - Desporto - Qui, 01/11/2018 - 14:55
Treinador do Moreirense descreve Peseiro como "excelente profissional". treinador do Moreirense,

Balance is the Key to Your Best Swim Life

Swimming World - Qui, 01/11/2018 - 14:00

The post Balance is the Key to Your Best Swim Life appeared first on Swimming World News.

By Jamie Kolar, Swimming World College Intern. Swimming is an all-consuming sport. It demands every part of your being: body, heart, mind and spirit. As dedicated swimmers, we have no

The post Balance is the Key to Your Best Swim Life appeared first on Swimming World News.

Categorias: Natação Mundial

Há 16 anos que um treinador não era despedido tão ‘tarde’ em Portugal numa lista que é ‘liderada’ pelo Marítimo

Diário de Notícias - Desporto - Qui, 01/11/2018 - 12:51

Está consumada a primeira ‘chicotada psicológica’ do campeonato com o despedimento de José Peseiro do cargo de treinador do Sporting, após a derrota caseira, frente ao Estoril-Praia, em jogo a contar para a Taça da Liga. Com esta saída, o técnico estabeleceu uma nova marca, isto porque foram precisos 16 anos para um técnico ser despedido à oitava jornada, em Portugal.

Para nos recordarmos da última vez que isso havia acontecido precisamos de recuar até à época 2002/2003, quando Manuel Fernandes saiu do Santa Clara à 11.ª jornada. Desde então, o registo de despedimentos na I Liga foi sempre perpetrado até à quinta jornada, numa lista que é liderada pelo Marítimo: o clube insular despediu nestes últimos 16 anos quatro treinadores nos primeiros cinco jogos do campeonato. Manuel Cajuda (2004/2005 - 1.ª jornada), Juca (2006/2007 - 4.ª jornada), Van Der Gaag (2010/2011 - 4.ª jornada) e, mais recentemente, Paulo César Gusmão (2016/2017 - 5.ª jornada).

Benfica recebe Moreirense, FC Porto e Sporting com viagens às ilhas

Diário de Notícias - Desporto - Qui, 01/11/2018 - 12:25

O Benfica recebe na sexta-feira o Moreirense, no jogo de abertura da nona jornada da I Liga de futebol, após dias difíceis para as ‘águias’, derrotadas fora em Amesterdão e com o Belenenses.

Contudo, a tarefa dos ‘encarnados’ parece ser, em teoria, mais fácil do que a dos outros dois ‘grandes’, FC Porto e Sporting, que vão visitar o Marítimo e o Santa Clara, respetivamente, enquanto o Sporting de Braga, que partilha a liderança com os ‘dragões’, recebe o Vitória de Setúbal.

O jogo com o Ajax podia ter sido apenas um percalço na campanha ‘encarnada’ na ‘Champions’, com uma derrota nos instantes finais (1-0, aos 90+2), mas a visita ao Belenenses no Jamor agravou o ‘ânimo’ da nação benfiquista.

Ao intervalo, com os adeptos a saírem do estádio, o Benfica já perdia por 2-0, fazendo subir a contestação ao treinador Rui Vitória, num jogo que acabaria por resultar na perda da liderança na I Liga, agora partilhada por FC Porto e Sporting de Braga.

Na sexta-feira, a partir das 20:30, os ‘encarnados’ (3.º) pretendem voltar à normalidade, frente a um Moreirense (12.º classificado) que nunca venceu na Luz em dez jogos, e onde soma oito derrotas consecutivas.

No Jamor, Rui Vitória terminou o jogo com três avançados, Seferovic, Jonas e Castillo, e frente à equipa de Moreira de Cónegos resta saber se o técnico voltará à fórmula de apenas um jogador na frente ou se mudará o paradigma tático, para dois.

O jogo de abertura da I Liga antecede a visita no sábado do co-líder e campeão FC Porto ao Marítimo (18:00), num terreno tradicionalmente difícil para os ‘grandes’ e onde os ‘dragões’ apenas venceram uma vez nas últimas três épocas.

Na última temporada, um golo de Marega, aos 89 minutos, embalou o FC Porto para o título, com a equipa a ficar, a duas jornadas do final, a um ponto do campeonato que lhe fugia há quatro temporadas.

O Marítimo não atravessa, no entanto, o seu melhor momento na Liga, com a equipa em 11.º lugar, sem vencer há quatro jornadas: empate com Belenenses (casa), e derrotas com Sporting (fora), Vitória de Guimarães (casa) e Moreirense (fora).

Em jornada que precede as competições europeias da UEFA, o Sporting é o último ‘europeu’ a entrar em campo, com a equipa de José Peseiro a viajar domingo até aos Açores, onde defronta o Santa Clara (16:30 locais).

É o reencontro dos açorianos com um ‘grande’ na Liga, mais de 15 anos após a sua última presença no principal escalão do futebol português. A última vez que o Santa Clara recebeu os ‘leões’ aconteceu em janeiro de 2003, com triunfo leonino (1-0).

O Sporting, quinto classificado, a quatro pontos do líder FC Porto, também não tem grande margem para erros na candidatura ao título, quando à sua frente tem os ‘dragões’, o Sporting de Braga, o Benfica e o Rio Ave, surgindo pressionado pela derrota caseira com o secundário Estoril Praia, na Taça da Liga.

Nos Açores, José Peseiro começa a ter o plantel mais disponível, sobretudo com o regresso aos trabalhos dos lesionados Mathieu e Bas Dost, utilizados já no último jogo da Liga, no triunfo frente ao Boavista (3-0), sendo que o holandês foi titular frente aos ‘canarinhos’.

O Sporting de Braga, líder a par do FC Porto e a uma semana de visitar o Dragão (10 de novembro), entra em campo no domingo, diante do Vitória de Setúbal (7.º), a quem venceu consecutivamente nos últimos sete jogos na sua casa.

Os bracarenses, que têm apenas um empate na Pedreira para o campeonato -- com o Rio Ave (1-1) -, estiveram em ação a meio da semana na Taça da Liga, goleando também em casa o Nacional, por 5-0.

Com a nona jornada a ficar completa com os jogos entre Boavista (14.º)-Vitória de Guimarães (8.º), Portimonense (10.º)-Belenenses (9.º), Feirense (13.º)-Tondela (16.º) e Desportivo de Chaves (15.º)-Desportivo das Aves (18.º), destaque ainda para o Rio Ave.

Os vila-condenses respiram em zona europeia, à frente do Sporting, e recebem na segunda-feira o Nacional (19:00), sem vencer desde 26 de agosto, num acumular de maus resultados, que deixam a equipa recém-promovida em zona de descida (17.ª).

Morreu Esquerdinha, o lateral que ajudou o FC Porto à conquista do Pentacampeonato

TSF - Desporto - Qui, 01/11/2018 - 11:43
O antigo lateral esquerdo dos dragões tinha 46 anos.

José Peseiro já não é treinador do Sporting

Diário de Notícias - Desporto - Qui, 01/11/2018 - 10:12

José Peseiro deixou hoje o comando técnico do Sporting, após a derrota de quarta-feira por 2-1 na receção ao Estoril Praia, da II Liga de futebol, para a Taça da Liga, disse à Lusa fonte ligada ao processo.

O treinador, de 58 anos, regressou no início da temporada aos ‘leões’, durante a governação da comissão de gestão transitória liderada por Sousa Cintra, depois da saída de Bruno de Carvalho, e até à eleição de Frederico Varandas, em 08 de setembro.

O treino de hoje já vai ser orientado por Tiago Fernandes, membro da equipa técnica de Peseiro, que será o treinador interino dos ‘leões’.

Na quarta-feira, o Sporting, que protagoniza com este despedimento a primeira ‘chicotada’ na I Liga 2018/19, sofreu a quarta derrota da época 2018/19, em 14 encontros oficiais. Soma ainda nove vitórias e um empate.

Peseiro deixa o clube ‘leonino’ no quinto lugar do campeonato, a dois pontos dos líderes FC Porto e Sporting de Braga e um de Benfica e Rio Ave, e na segunda posição do Grupo E da Liga Europa, apenas atrás do Arsenal e em boa posição para se qualificar.

Os ‘leões’ conseguiram também a qualificação para a quarta eliminatória da Taça de Portugal e, na Taça da Liga, mesmo tendo perdido com os ‘canarinhos’, estão na luta por um lugar nas meias-finais da prova que conquistaram em 2017/18.

Esta foi a segunda passagem de Peseiro por Alvalade, depois de ter conduzido os ‘leões’ à final da Taça UEFA em 2004/05, antes de ser despedido no início da temporada seguinte.

O treinador começou a carreira no União de Montemor e passou por clubes como União de Santarém, Oriental, Nacional, Sporting de Braga, FC Porto e Vitória de Guimarães.

No estrangeiro, Peseiro foi adjunto de Carlos Queiroz no Real Madrid, orientou a seleção da Arábia Saudita, Al Hilal, Panathinaikos, Rapid Bucareste, Al-Wahda, Al Ahli e Sharjah FC.

O “Breakdown” do CN1: História no Inatel e afirmação dos líderes

Fair Play - Qui, 01/11/2018 - 09:48

O Fair Play fará um acompanhamento semanal ao Campeonato Nacional 1, divisão onde habitam CRAV, Guimarães RUFC, RC Santarém, Caldas RC, RC Lousã, CR São Miguel, SL Benfica Rugby, Rugby Vila da Moita, RC Montemor e CR Évora. A liga já está em funcionamento mas só agora é que conseguimos fazer um acompanhamento sustentado ao CN1.

Os melhores momentos, ensaios, equipas e factos desta divisão!

LÍDER É LÍDER E NADA MUDA ISSO!

RC Montemor e RC Lousã têm dominado o CN1 desde o primeiro momento e ao fim de quatro jornadas, já conquistaram quatro vitórias ocupando o 1º e 2º lugar do campeonato, respectivamente. No caso dos mouflons, nova vitória por números “gordos” com um 66-10 na casa emprestada do Guimarães RUFC em Arcos de Valdevez.

A formação treinada por João Baptista (recorda o podcast com o treinador aqui: podcast João Baptista) entrou a matar com uma sequência de ensaios que lhes possibilitou chegar ao intervalo no controlo do resultado.

Os vimaranenses sentiram dificuldades para segurar o aspecto físico do Montemor, que voltou a fazer uso da sua pesada mas móvel avançada para chegar à área de ensaio, com de novo Luan Almeida (o brasileiro tem feito um arranque de temporada irrepreensível) a fazer estragos a partir do maul e piques.

Por outro lado, as linhas atrasadas deram um autêntico show no que toca à pontaria e aceleração na linha de vantagem, com Pedro Jaleco a realizar nova exibição de categoria, desta feita a partir da posição de defesa (Luís Vacas de Almeida regressou de lesão e entrou directamente para o XV, na posição de médio de abertura), com boas decisões no que toca aos aproveitamentos das falhas dos seus adversários.

José Leal da Costa terminou o encontro com 21 pontos, com oito pontapés certeiros nas conversões. Vitória merecida do Montemor, que aproveitou para voltar a fazer uma demonstração de “força”, sendo este o 4º jogo com uma vitória acima dos 30 pontos.

João Baptista, treinador do RC Montemor, prestou algumas declarações pós-jogo,

João Baptista, esperavas uma vitória tão alargada frente ao Guimarães RUFC? Onde foram mais fortes?

JB. Esperávamos um jogo difícil se as coisas não nos saíssem, mas felizmente tivemos alguns bons momentos que nos permitiram vencer um adversário que tem momentos bons. Conseguimos ser mais fortes quando jogámos em coletivo e conseguimos encadear algumas fases com bom ritmo.

Estás satisfeito com a qualidade exibicional da tua equipa até ao momento?

JB. Começo a estar mais satisfeito com as exibições da equipa, mas estamos ainda a uma certa distância daquilo que julgo podermos fazer!

No Campo José Redondo, a equipa local também não permitiu surpresas ante um RC Santarém “renovado” e com algumas peças bem interessantes de ver jogo. Os lousanenses que também não desarmam da luta pelo primeiro posto, realizaram nova exibição convincente com a capacidade de explosão da avançada a fazer a diferença contra os escalabitanos.

De nada valeu a capacidade defensiva dos cavaleiros de Luís Monteiro que ainda procuram atingir o seu melhor patamar, mas que possuem capacidade para surpreender durante este campeonato.

FEZ-SE HISTÓRIA NO INATEL, APESAR DA LEI DO AMARELO

SL Benfica e CR São Miguel realizaram uma inversão de jornada, com as “águias” a receberem os “bulldogues” no seu novo recinto do Inatel, que curiosamente é ainda o campo do emblema de Alvalade até que as instalações do novo complexo estejam concluídas. Rui Carvoeira contou com o seu melhor XV, enquanto que o SL Benfica não contou com António Ventosa e José Trindade não foram opções.

Os encarnados começaram melhor o encontro, com um ensaio de Pedro Bilro fruto de uma entrada explosiva de Urryel Torres pelo meio da defesa dos bulldogues… Rui Santos não foi capaz de transformar. Até ao final dos primeiros 40 minutos, Diogo Pina fez o “empate” em ensaios e André Lemos a partir de uma conversão e duas penalidade subiu a contagem para 13-05.

O SL Benfica voltaria a marcar um ensaio, graças a uma boa arrancada o seu nº8 Matt Ritani (um dos destaques, senão o destaque, deste Benfica de Francisco Aguiar e Carlos Castro), com Rui Santos a converter para o 13-12.

Quando o encontro se encontrava numa toada equilibrada, Gonçalo Melo, nº8 do CR São Miguel, aproveitou uma rodagem de uma formação-ordenada nos 10 metros finais para ir até à linha de ensaio… 20-12.

O ensaio “picou” a formação das “águias” que foram em busca da recuperação. Os dois amarelos dados por faltas anti-desportivas dos “bulldogues” conferiram espaço de manobra para o SL Benfica chegar ao ensaio por mais uma ocasião, novamente pela passada de Pedro Bilro.

Rui Santos completou a conversão e somaria nova penalidade… 22-20 e a equipa da casa estava na frente do resultado, sendo que só precisavam de aguentar os minutos finais para garantir a vitória. Porém, um erro defensivo concedeu uma última oportunidade a André Lemos de devolver a vantagem… pontapé bem armado, 23-22 e o São Miguel fez História ao derrotar o SL Benfica pela primeira vez na sua História.

André Lemos, capitão do CR São Miguel, explicou como atingiram este marco,

André, vitória histórica no Inatel frente ao SL Benfica… foi difícil bater aquele último pontapé? Qual foi a sensação imediata?

AL. Não foi difícil. Tenho treinado bastante (2 ou 3 vez por semana) e sinto-me confiante nos pontapés

Estiveram durante largos períodos do jogo a jogar com 14… como conseguiram sair com a vitória?

AL. Um ponto que temos de melhor, não podemos ter 3 amarelos num jogo. Acho que o jogo foi ganho pelo carácter da equipa, não desistimos nunca e acreditamos sempre que era possível. Foi um jogo bastante intenso de início ao fim mas conseguimos impor o nosso jogo e felizmente a vitoria pingou para o nosso lado.

EMPATE COM SABOR A POUCO PARA AMBAS AS FORMAÇÕES

O CR Évora só se pode queixar de si mesmo, pois saiu para a segunda-parte na frente do resultado com um até confortável 14-00. Mas viajemos até ao início para nos apercebermos de como se desenrolou o encontro.

Os eborenses deram as boas-vindas a um novo super-reforço: José Leal da Costa. O pilar jogou as últimas temporadas pela AEIS Agronomia, mas regressa agora à casa-mãe e adiciona ao plantel de Miguel Avó uma excelente opção tanto ao nível da formação-ordenada, como de liderança e exemplo. Nesse sentido, foi o Évora a entrar melhor no encontro, com uma “agressividade” dos avançados de qualidade.

Este factor tornou a vida dos “pelicanos” desconfortável, pois tiveram de defender dentro dos seus 22 minutos durante largos minutos inicias. Ao fim de 8 minutos, a formação visitante chegou ao ensaio, com Frederico Couto a concluir um avanço constante do maul dinâmico da equipa alentejana. Diogo Appleton aproveitou o vento para transformar e dar o avanço inicial.

Patricio “Pato” Lamboglia tentou corrigir alguns erros de apoio e de handling da equipa mas sem resultado. Cláudio França ou Tomás Lamboglia apareceram em duas ocasiões bem lançados, faltando o apoio ideal para dar outra forma a este avanço interessante da equipa da casa. Os erros acumularam-se e o Évora, que defendia bem no contacto directo, esperou pelo melhor momento para chegar ao 14-00. António Fonseca completou uma boa movimentação geral dos visitantes e garantiu uma margem confortável à sua equipa.

Contudo, a segunda-parte seria de outro “tom”, pois os da casa acertaram “agulhas” e começaram a apresentar um rugby mais seguro e consolidado… Salvador Camburnac ia agitando a sua avançada a trabalhar mais, o que começou a colocar dificuldades a um Évora demasiado estático… o vento contra também começou a complicar com consecutivos pontapés a serem disparados para as costas da linha-de-defesa eborense.

Tomás Lamboglia deu “esperança” e com três pontapés de penalidade deu um novo balão de oxigénio, com o Évora a ter mais dificuldades em sair bem na condução de bola (montavam duas ou três fases, perdendo o controlo da oval logo de seguida). A 15 minutos do fim do encontro, o Caldas iria empatar o jogo com um ensaio de Alexandre Vieira à ponta… mesmo com o vento a soprar pelas costas, não houve conversão do médio-de-abertura dos “pelicanos”.

Até ao final do encontro, tanto visitados como visitantes desperdiçara uma boa ocasião cada para desbloquear a igualdade, mas nem a movimentação ofensiva do Caldas ou o maul do Évora surtiram efeito. Empate a 14 pontos, justo, num jogo muito equilibrado.

Por fim, CRAV e Vila da Moita assinaram o encontro menos “expedito” do fim-de-semana com um 17-12, a favorecer os campeões nacionais do CN1 em título. A formação de Arcos de Valdevez está a tentar voltar ao seu melhor rugby, mas faltam opções de qualidade ao bloco avançado arcuense. O RV Moita por sua vez continua com um elenco interessante, mas que sucumbe sempre nos 2ºs 40 minutos de jogo, muito devido também há falta de opções.

O Campeonato está alinhado da seguinte forma: RC Montemor 20 pontos; RC Lousã 19 pontos; CR São Miguel 13 pontos; Caldas RC 11 pontos; SL Benfica 10 pontos; CRAV 9 pontos; CR Évora 8 pontos; RC Santarém 5 pontos; RV Moita 1 ponto; Guimarães RUFC 0 pontos;

The post O “Breakdown” do CN1: História no Inatel e afirmação dos líderes appeared first on Fair Play.

José Peseiro despedido. Derrota com o Estoril foi a gota de água

TSF - Desporto - Qui, 01/11/2018 - 08:46
O treinador aguentou 14 jogos até ver o cartão vermelho do presidente, Frederico Varandas, que o terá despedido esta madrugada. O Sporting procura um novo treinador.

José Peseiro e a não-pressa de trocar de treinador em 2018/2019

Fair Play - Qui, 01/11/2018 - 08:23

Depois de meses de convulsão em Alvalade, o Sporting Clube de Portugal procura retornar ao caminho do sucesso, ou pelo menos, do crescimento e de se reafirmar tanto no contexto nacional como internacional. A saída caótica de Bruno de Carvalho, a escolha por um treinador de recurso pensando no curto-prazo e não a médio-prazo e o refazer de uma equipa dividida e estilhaçada, foram obstáculos claros na preparação para a temporada.

Perante isto, a opção recaiu como todos sabem em José Peseiro, um treinador que ficou sempre marcado pelo quase sucesso, relembrando o fracasso das conquistas na Bwin Liga e Taça UEFA em 2004-2005 pelo clube leonino. Uma pré-época com resultados medíocres, com a chegada de vários reforços sem a qualidade exigida, deixou os adeptos do clube de Alvalade receosos com o arranque de época.

Contudo, contra todas as más previsões, o Sporting Clube de Portugal chegou a Outubro a um pequeno passo da liderança, tendo conseguido sobreviver ao jogo da Luz, conquistando também resultados positivos na Europa.

Mas as últimas semanas trouxeram algumas más notícias como a derrota em Braga e Portimão que foram provas claras de algo que José Peseiro não tem conseguido driblar: futebol débil, sem identidade e desprovido da intensidade certa. A consumação final foi o encontro em casa para a Taça da Liga frente ao Estoril-Praia, com uma assobiadela monumental mortal e letal.

MUDAR, FICAR E AGUENTAR OU ARRISCAR NA SAÍDA DO TÉCNICO

O plantel é precário, mas não é inferior ao do SC Braga e aproxima-se em certos parâmetros ao do SL Benfica e FC Porto, sendo que a maior preocupação passa pela falta de opções no banco para substituir os titulares como acontece com Bas Dost, Bruno Fernandes, Jérémy Mathieu, Marcus Acuña ou Rodrigo Battaglia. Dos reforços que chegaram só Nemaja Gudelj, Raphinha e Nani trazem qualidade imediata à equipa, ficando na dúvida o valor de Bruno Gaspar, Viviano ou Abdoulay Diaby, aquilo que foi um claro problema para o ex-técnico dos “leões” para esta temporada.

Pedia-se bem mais a um clube da envergadura do Sporting Clube de Portugal, que esteve (e até ver está) “refém” de um esquema táctico demasiado clássico e profundamente virado para a filosofia de contra-ataque rápido e de jogo de profundidade, sem que essa estratégia seja viável perante as ferramentas que estavam ao dispor de José Peseiro.

Bruno Fernandes parece não ter tanta importância e participação na forma actual de jogar dos verde-e-brancos, os laterais estão muitas vezes imiscuídos de participar activamente no ataque, existindo uma clara falta de conexão entre sectores.

O futebol demasiado arcaico do Sporting CP, condicionou várias exibições da equipa que vive assente num futebol pouco dinâmico, excessivamente disperso e altamente dependente das suas individualidades, o que até forçou “positivamente” o surgimento de Jovane Cabral por exemplo. Curiosamente, José Peseiro afirmou que o resultado final e exibição fraca ante o Portimonense deveu-se a uma tentativa de mudar a forma de jogar do Sporting CP que acabou por prejudicar a equipa.

Porquê então alterar a estratégia? Porquê demonstrar que afinal a táctica e ideias até aqui vincadas e defendidas pelo próprio treinador não eram as melhores? José Peseiro tentou defender-se ao mesmo tempo que tentou proteger a equipa, dando um misto de respostas consensuais e de afirmações pouco esclarecidas e sem nexo.

Perante isto tudo, a vontade de uma parte da falange de adeptos, comentadores e ex-jogadores/dirigentes é de que Novembro ou Dezembro era e é um mês bom para alterar o treinador principal, repondo a equipa no caminho certo. Mas ao fazer esta decisão, a maioria está a tentar apressar uma troca que pode ser negativa a médio-prazo, forçando depois nova mudança.

Talvez a melhor ideia era de aguentar José Peseiro até ao limite, sendo que o limite passava pelo clube ficar bem longe dos primeiros lugares, ser afastado de todas as competições a eliminar e de um clima negativo com os jogadores e dirigentes. E porquê aguentar? Se o treinador português tivesse permanecido até Maio, daria tempo para procurar um treinador de qualidade à direcção e SAD do Sporting CP.

Trocar e provocar uma nova convulsão dentro de um plantel já por si frágil pode tirar força, margem de manobra e confiança a qualquer treinador que venha a aceitar a formação verde-e-branca, criando novas e mais dificuldades que o clube não precisa.

Nesse sentido, e pensando numa troca só em Maio, que treinadores poderiam assumir este plantel e montar uma equipa minimamente consistente e pautado por um jogo apaixonante?

Propomos três possíveis timoneiros que podem encaixar bem no plantel, trazendo cada um deles uma identidade diferente mas mais ousada ao cenário actual.

VÍTOR PEREIRA

Situação actual: com contrato de 1 ano com o Shanghai SIPG F.C.;
Aspectos a Favor: trabalho defensivo de qualidade, boas ideias em termos de estratégia de transição de bola, bom motivador, com boa cadência para a conquista de títulos;
Aspectos Contra: salário demasiado alto, apetência para um futebol mais de controlo do que ataque total;

É uma escolha estranha, mas não nova, pois o nome do ex-técnico do FC Porto já circulou pela imprensa desportiva nos últimos 4 anos, especialmente durante as fases em que os jornais garantiam que Jorge Jesus estava com um pé fora de Alvalade (situação falsa e produzida talvez no sentido de destabilizar os “leões”).

Vítor Pereira foi bicampeão em Portugal, tem um sentido de jogo de posse de qualidade, trabalha com excelência a defesa, consegue extrair o melhor do colectivo, formatando bem as individualidades no caminho de formar uma verdadeira equipa.

Todavia, Vítor Pereira é um treinador que “exige” uma boa remuneração e com o sucesso no Shanghai SIPG pode muito facilmente renovar por um valor exorbitante, ou sair para a Europa a pedir um valor igual ao que auferia na China. Com o plantel actual do Sporting Clube de Portugal, seria interessante ver como Vítor Pereira articularia uma defesa experiente e inteligente com um ataque minimamente eficaz quando bem trabalhado.

MIGUEL CARDOSO

Situação actual: sem contrato após ter sido demitido pelo FC Nantes;
Aspectos a Favor: futebol de capricho ofensivo, bom conhecedor da Liga NOS actual, bom trabalhador e executante de estratégias equilibradas;
Aspectos Contra: não suficientes provas dadas como treinador principal, aposta de alto risco, relação por vezes intensa com os atletas mais experientes

Futebol vibrante, agressivo, detalhado e promissor foi o que Miguel Cardoso conseguiu impor em Vila do Conde na temporada 2017/2018, dando outro timbre e forma de jogar ao Rio Ave que deslumbrou os adeptos portugueses no decurso dessa época.

É um futebol com uma mescla de posse de bola mas também de aproveitamento do “miolo” do jogo para colocar a bola em profundidade, onde todas as unidades têm um papel dinâmico e não só posicional tanto a atacar como defender. É por assim dizer um sistema que eleva o colectivo a uma simbiose fluída entre a defesa e o ataque, mas que também proporciona aos jogadores a sua ascensão individual.

Contudo, a Miguel Cardoso falta mais segurança defensiva e percepção que nem sempre dá para jogar de forma total contra todos os adversários, pedindo mais adaptação perante os diferentes “inimigos” com quem joga. Num clube como o Sporting CP pode aproveitar a dimensão do emblema para se precipitar para uma estratégia arrojada, mas pode existir sempre o problema da falta de experiência para lidar em momentos de alta pressão.

LUÍS CASTRO

Situação actual: com contrato de 2 anos com o SC Vitória SC;
Aspectos a Favor: consegue dar forma a plantéis que têm pouca qualidade individual, procura esboçar uma identidade futebolística interessante e joga ao ataque controlado;
Aspectos Contra: pouco exuberante em termos de espectáculo, ataque por vezes parco em golos, .

Experiência, muita experiência tem Luís Castro na Liga NOS, tendo sido também o pioneiro no sucesso do FC Porto a nível de formação (levantou o título como treinador da equipa B dos azuis-e-brancos), apresentando um futebol bem consistente, conseguido e sério.

Tem deixado sempre o “esqueleto” para que as suas ex-equipas consigam atingir uma posição bem interessante nos anos seguintes. Veja-se o caso do FC Rio Ave de Miguel Cardoso que herdou as benesses do tempo de Castro em Vila do Conde, da dimensão do GD Chaves durante a sua presença lá e mesmo após após a sua saída. Ou seja, Luís Castro sabe talhar um plano, trabalhar o plantel e garantir uma posição elevada na classificação.

A Luís Castro falta por vezes a parte emotiva do jogo, a de atribuir uma consistência ofensiva completa e “agressiva” que se espera por uma equipa do topo da classificação. Mas, depois de boas experiências em Vila do Conde e Chaves, é talvez altura de arriscar em nova aposta num clube de maior dimensão.

Outras opções podiam passar por Silas (pouco provou ainda, mas mesmo com um plantel limitado conseguiu ganhar ao FC Porto e SL Benfica num espaço de 7 meses, para além de ter garantido a manutenção do plantel que agora actua no Jamor), Rui Jorge (homem-da-casa e que tem provas dadas nos sub-20, somando-se ainda um esquema e forma de jogar de sucesso e virado para o futurismo) e Paulo Sousa (opção excessivamente “cara”).

Quem vai ser o próximo herói/vilão no banco dos “réus” do Sporting Clube de Portugal?

Será o homem certo para o Sporting CP? (Foto: Lusa)

The post José Peseiro e a não-pressa de trocar de treinador em 2018/2019 appeared first on Fair Play.

Varandas ataca rival da Luz. "O Benfica nunca desmentiu os e-mails"

TSF - Desporto - Qui, 01/11/2018 - 00:34
Presidente do Sporting diz que vai canalizar dinheiro das transferências de Rui Patrício e Gelson Martins para ir ao mercado já em janeiro e deixa avisos a José Peseiro.

Futebolistas têm mais possibilidades de sofrer ansiedade refere estudo

Diário de Notícias - Desporto - Qui, 01/11/2018 - 00:06

Os futebolistas são mais propensos a sofrer problemas de ansiedade e depressão, de acordo com as conclusões de um estudo do sindicato internacional dos futebolistas (FIFPro), apresentado hoje num encontro sobre saúde mental na Holanda.

De acordo com o estudo, 38% dos jogadores ativos no futebol relataram ter sofrido sintomas de depressão em 2015, de acordo com os dados apresentados.

“O discurso público em torno da saúde mental nos desportos de elite está a mudar, e os atletas estão na linha da frente para melhorar a forma como a sociedade lida com esses problemas de saúde”, disse Jonas Baer-Hoffmann, secretário-geral da FIFPro.

De acordo com o comunicado emitido na página oficial da organização na Internet, o objetivo principal deste encontro é o de alertar para a saúde mental e para os vários sindicatos dos jogadores para darem assistência aos seus membros.

“Isto é encorajador, mas, ao mesmo tempo, a maioria dos jogadores ainda não recebe todo o apoio de que precisa. O ‘workshop’ faz parte de uma iniciativa ainda maior promovida pela FIFPro para construir vários sistemas de apoio para os jogadores em todos os países membros”, concluiu.

“Não sairei do Benfica sem ser campeão europeu”, diz Luís Filipe Vieira

Diário de Notícias - Desporto - Qua, 31/10/2018 - 23:33

O presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, quer que a equipa principal de futebol conte com 80% a 90% de jogadores de formação dentro de três anos, afirmando que só sai da liderança do clube quando for campeão europeu.

“O futuro do Benfica passará pela formação, vamos ter um Benfica com identidade própria”, lançou Vieira, antes do jantar comemorativo do 15.º aniversário da sua chegada à presidência, acrescentando que daqui a três anos o plantel principal de futebol masculino vai contar com “80% a 90% dos jogadores” formados no Benfica.

“Não sairei do Benfica sem ser campeão europeu”, vincou o líder das águias, reforçando: “O título europeu tem de ser uma realidade para nós. Queremos ser campeões europeus”.

Durante o seu discurso, Vieira recordou alguns episódios caricatos relacionados com a construção do novo Estádio da Luz, tecendo rasgados elogios a Mário Dias, antigo vice-presidente do clube responsável pelo património, que considerou como o grande responsável pelo avanço do projeto do novo estádio, que foi estreado em outubro de 2003, seis dias antes da primeira eleição de Vieira.

Vieira considerou que a nova Luz devolveu a autoestima dos benfiquistas e interrompeu um longo jejum de títulos de um clube habituado a estar no topo do futebol português e europeu.

“A Luz foi a peça fundamental para todo o crescimento do Benfica”, atirou o dirigente, que também endereçou palavras de apreço à entrada no clube de Domingos Soares de Oliveira, administrador executivo da SAD encarnada, e a toda a estrutura profissional da entidade.

Vieira também apontou para o salto qualitativo dado ao nível da formação de jovens futebolistas após a construção do centro de estágios no Seixal.

“Será ali o futuro do Benfica”, assinalou, falando no projeto de expansão deste complexo desportivo e da construção de um centro de alto rendimento (CAR) para as modalidades, em Oeiras.

Paralelamente, o presidente abordou a questão do endividamento, destacando a evolução positiva que tem sido conseguida.

“Nós hoje estamos livres de hipotecas e temos um objetivo claro: queremos que o Benfica deixe de ter dívida”, realçou.

Sobre o tema, Vieira falou sobre a intenção de promover uma revisão estatutária que permita “limitar o endividamento a qualquer direção”.

Segundo o responsável, o Benfica “não pode repetir os erros do passado”.

Vieira destacou também o crescimento das Casas do Benfica, a proteção das antigas glórias do clube, e a estabilidade ao nível da direção.

“Era natural que com tantos processos [judiciais] alguém quisesse fugir. Mas essas tristes notícias fortaleceram-nos mais ainda. Às vezes parece que somos de ferro”, sublinhou.

Sporting perde em casa com Estoril Praia na Taça da Liga

Diário de Notícias - Desporto - Qua, 31/10/2018 - 23:23

O Sporting, detentor do troféu, perdeu hoje em casa com o Estoril Praia, por 2-1, em jogo da segunda jornada do Grupo D da Taça da Liga de futebol, deixando o Feirense isolado na liderança do agrupamento.

Os ‘leões’ ainda se colocaram em vantagem aos nove minutos, por Wendel, mas os ‘canarinhos’ deram a volta ao marcador, por Sandro Lima (71) e André Pinto (82), na própria baliza.

Com este resultado e com uma ronda por disputar, o Feirense, que venceu o Marítimo (3-2), lidera isolado o Grupo D, com seis pontos, mais três do que Sporting e Estoril Praia, sendo que o clube insular, ainda sem pontos, já está afastado da luta pelo apuramento para as meias-finais.

"Não sairei do Benfica sem ser campeão europeu", garante Luís Filipe Vieira

TSF - Desporto - Qua, 31/10/2018 - 22:59
O presidente encarnado vincou que o título europeu "tem de ser uma realidade".

Real Madrid goleia Melilla no pós-Lopetegui, FC Barcelona ‘sofre’ mas vence

Diário de Notícias - Desporto - Qua, 31/10/2018 - 22:49

O Real Madrid venceu hoje em casa do Melilla por 4-0, em jogo da primeira mão dos 16 avos de final da Taça de Espanha de futebol, no primeiro jogo depois da saída de Julen Lopetegui.

No primeiro ‘onze’ escalado pelo técnico interino, o argentino Santiago Solari, ex-jogador dos ‘merengues’ e até então treinador da equipa B, o brasileiro Vinícius Jr. surgia na frente ao lado de Benzema e Lucas Vázquez.

Depois do despedimento do antigo treinador do FC Porto, após a goleada inflingida pelo rival FC Barcelona (5-1) no fim de semana, Solari apostou num ‘onze’ com vários jogadores da equipa principal, como o ‘capitão’ Sergio Ramos, e vários jovens valores.

Aos 28 minutos, o francês Benzema fez o primeiro, a passe de Odriozola, enquanto Marco Asensio fez o segundo aos 45+1, a passe do jovem Vinícius.

No segundo tempo, Odriozola fez o 3-0 aos 78, numa jogada de insistência que voltou a ter no avançado brasileiro o principal instigador, antes de Odriozola assistir Cristo Gonzalez para o 4-0 final, no segundo minuto de descontos, numa estreia de ‘sonho’ para o jovem avançado.

O campeão espanhol FC Barcelona teve de ‘sofrer’ para vencer no reduto do Cultural Leonesa, numa partida em que o português Nelson Semedo atuou os 90 minutos, com o defesa francês Lenglet a resolver aos 90+1, depois de um cruzamento de livre direto do compatriota Ousmane Dembelé.

Antes, o Valladolid venceu em casa do Mallorca por 2-1, levando vantagem para a segunda mão, enquanto o Getafe, com Antunes a não sair do banco, a conseguir igual resultado na visita ao Córdoba.

Alavés e Girona empataram a duas bolas, sendo que o encontro entre o Athletic de Bilbau e o Huesca foi adiado para 28 de novembro, uma vez que o relvado do Estádio San Mamés foi danificado pela realização no recinto dos Prémios MTV.

Real Madrid goleia Melilla no pós-Lopetegui, FC Barcelona 'sofre' mas vence

TSF - Desporto - Qua, 31/10/2018 - 22:45
Em Espanha, jogou-se a primeira mão dos da Taça do Rei.

FC Porto estreia-se a vencer na Taça da Liga e sobe ao comando do Grupo C

Diário de Notícias - Desporto - Qua, 31/10/2018 - 21:50

O FC Porto, líder da I Liga, conquistou hoje a primeira vitória na Taça da Liga de futebol, ao impor-se por 4-2 na receção ao Varzim, do segundo escalão, o que lhe permitiu ascender à liderança do Grupo C.

A equipa visitante inaugurou o marcador aos 30 minutos, através do hondurenho Jonathan Toro, mas o FC Porto restabeleceu o empate ainda antes do intervalo, aos 42, com um golo do holandês Bazoer, consumando a reviravolta aos 73, por intermédio do brasileiro Soares.

O Varzim igualou dois minutos mais tarde, aos 75, pelo camaronês Jacques Haman, mas os ‘dragões’ arrancaram para o triunfo graças a um autogolo do norte-americano Stephen Payne, aos 81, e um golo de André Pereira, aos 86.

Após o triunfo no encontro da segunda jornada e depois de ter empatado 1-1 na estreia com o Desportivo de Chaves, o FC Porto isolou-se no comando do Grupo C, com quatro pontos, mais um do que o Varzim, enquanto o Chaves detém um ponto e o Belenenses ainda está em ‘branco’, ainda que flavienses e lisboetas tenham menos um jogo.

Jogador de 23 anos da Real Sociedad sofre AVC leve

TSF - Desporto - Qua, 31/10/2018 - 20:55
Luca Sangalli está a ser observado no Hospital Universitario Donostia.

Páginas